Search
Close this search box.

De perto e em pessoa com Márcia Novela

Nos corredores movimentados de nossa organização, em meio à atmosfera vibrante da iniciativa Comunicar, Colaborar e Celebrar (CCC), encontramo-nos imersos em uma jornada esclarecedora. Como parte dessa busca para desvendar os segredos da comunicação efectiva, tivemos a honra de nos sentar com a Márcia Novela, Oficial de Aquisições da ROMPCO – adentramos profundamente em seu mundo, buscando desvendar suas perspectivas sobre a comunicação, o potencial de aprimoramento e a profunda influência de sua criação.

Por meio dessa conversa introspectiva, descobrimos que a sabedoria e a história de vida da Marcia servem como um farol, nos guiando em direcção a um futuro mais conectado e empático.

CCC: Que momentos mais marcantes guardas da tua infância?

MN: Chamo-me Márcia Novela, nasci a 5 de Março de 1996 na cidade de Maputo, contam os meus pais pensavam que iriam ter um rapaz, contra todas as expectativas, a Márcia é menina.

Cresci num bom ambiente familiar, de profundo amor e valores, e muito aprendizado quando crianca o desporto que praticava era nataçao.

Durante o ensino primário secundario sai de Maputo para Pemba depois fui viver na Beira, onde fiz a faculdade, e apos isso fui viver em Nampula onde tive a primeira oportunidade de emprego, e mais tarde mudei me para Tete, dai que hoje se perguntarem donde é que sou, a minha resposta é sou de Moçambique, graças a essas experiências com diferentes culturas, habitos e costumes.

CCC: Qual é o teu entendimento sobre a comunicação?

MN: A comunicação é parte fundamental da interação humana e é essencial para o funcionamento de qualquer sociedade, pois permite a transmissão de informações, ideias e emoções de uma pessoa para outra, garante a confiança, cria ambiente positivo, aumenta a produtividade e melhora relações entre pessoas.

Para construir e manter conexões, tanto pessoais quanto profissionais, depende de uma comunicação eficaz.

CCC: Que problemas de comunicação enfrentaste?

MN: Quando saí de Maputo tive um intenso choque na comunicação devido as diferenças culturais e a barreira linguística.

Ainda que se falasse a lingua Portuguesa na escola, a pronuncia era diferente , o que nao era ofensivo para mim , para os outros era. Para tal, aprendi a lidar com outras pessoas de diferente cultura.

Então, mesmo ao falar o mesmo idioma, dialetos, sotaques e peculiaridades de comunicação únicas podem resultar em mal-entendidos e outras consequências não intencionais.

Na ROMPCO foi a própria língua. Várias vezes as pessoas diziam que não entendiam mesmo recorrendo a “Google translation”, existiam palavras que não correspondiam exactamente o que eu pretendia dizer.

CCC: O que pode ser feito para melhorar a comunicação?

MN: Primeiro devemos entender que temos antecedentes diferentes, logo e importante o uso de uma linguagem clara e concisa isto e ir directo ao ponto, evitar linguagem figurada e girias

É importante estar ciente do etnocentrismo ou da suposição de que todas as culturas compartilham seus valores, crenças e estilo de vida. Entao é importante aceitar essa diferença. 

Dar Feedback e importante fazer comentários sobre a mensagem ouvida e reagir de maneira apropriada e reispeitosa ,Isso garante que a mensagem seja compreendida e que quaisquer equívocos sejam prontamente resolvidos.

Um bom comunicador nao sabe apenas falar e se expressar bem, deve tambem saber ouvir.

CCC: Como pensas que a comunicação pode ser melhorada na ROMPCO?

MN: Eu penso que a ROMPCO esta num bom passo, Considero a Rompco uma empresa diversificada e inclusiva, temos trabalhadores de diversas origens culturais a trabalharem juntos. A comunicação eficaz nessas organizações envolve compreensão e respeito pelas diferenças culturais.

Para mim o “Team Building” constituiu uma estratégia acertada, sinal de que a empresa está preocupada com as diferentes culturas que existem na empresa e sem uma boa comunicação pouco progresso se terá.

Por outro lado, as nove iniciativas em curso agruparam indivíduos com diferenças culturas e isso  ajuda a nor tornar mais sensíveis culturalmente na comunicação, pois porque esta criar uma cultura que enfatiza um conjunto compartilhado de valores, e assim promove um sentimento de pertencimento e derrubará barreiras culturais.

Ainda assim, é necessário enfatizar sempre aos  funcionários que eles podem vir e fazer sugestões, comentários e feedback não apenas o feedback positivo, mas também o feedback negativo, através de caixa de sugestões para coletar dicas e reclamações dos funcionários sem que eles tenham que se preocupar com as repercussões.

O uso de uma lingua única no trabalho é importante neste caso o inglês qualquer outra só estimula a exclusão.

Por último é preciso estimular o feedback em cada mensagem transmitida. A reacção do receptor da mensagem é importante para que a comunicação seja dinâmica e vibrante.

CCC: Tens alguma citação sobre a comunicação que tenha te inspirado?

MN: O que determina o sucecesso da comunicação “não é o que dizes, mas como   dizes”.

Ao longo de nossa conversa, exploramos o potencial para o aprimoramento em nossas práticas de comunicação. Marcia nos desafiou a romper com as normas convencionais e abraçar abordagens inovadoras que promovam inclusão, transparência e escuta activa. Suas perspectivas revigorantes acenderam uma faísca dentro de nós, instigando-nos a reavaliar nossos próprios hábitos de comunicação e a ousar explorar territórios desconhecidos em nossa busca por uma colaboração eficaz.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Solverwp- WordPress Theme and Plugin